ESELx

Instituto Politécnico de Lisboa

Intervenção Precoce

Coordenador Marina FuertesEquipa de coordenação

Duração: 
- Tempo integral: 4 semestres letivos * 
* sem limite para Trabalhadores-Estudantes 

Funcionamento
Horário Pós-Laboral 

Contacte-nos:
s.academicos@eselx.ipl.pt

Curso acreditado pela Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (A3ES).

As vantagens do nosso curso

A Escola Superior de Educação de Lisboa no intuito de acompanhar a preocupação nacional e internacional de apostar na educação e na intervenção dos 0 aos 6 anos, propõe-se aprofundar e desenvolver esta área científica de formação e de investigação, criando o mestrado em Intervenção Precoce. O presente mestrado insere-se numa ciclo de atividades de investigação (financiadas pela Fundação para a Ciência e Tecnologia) e de formação da Escola Superior de Educação de Lisboa na área da Educação da Primeira Infância e Intervenção Precoce, em com várias instituições académicas e científicas nacionais e internacionais com protocolo com o SNIPI (Sistema Nacional de Intervenção Precoce na Infância). A parceria internacional inclui aulas conjuntas por vídeo conferências ou presenciais e a possibilidade de estagiar ou fazer a dissertação noutros países. Este curso transdisciplinar prepara os formandos para o exercício da intervenção precoce (para a avaliação e intervenção em casos reais) e está creditado junto do Centro de Formação Contínua de Braga permitindo o acesso de educadores e professores aos concursos de educação especial.

O curso foi acreditado como formação especializada pelo CCPFC, para aqueles que, à data da admissão sejam educadores de infância, professores do ensino básico ou professores do ensino secundário profissionalizados e com, pelo menos, 5 anos de serviço docente”, de acordo com o nº 2 do artigo 4º do Decreto Lei nº 95/97, de 23 de Abril. 

Registo: CCPFC/CFE-3012/15, Nº Créditos: 12
Modalidade: Parte Curricular de Mestrado, Destinado a: Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário

* Mestrado reconhecido para efeito de progressão na carreira. Consulte a listagem com os grupos de recrutamento, AQUI

Principais características 

O decreto-lei nº281/2009 (DR, I série, nº 193) criou o Sistema Nacional de Intervenção Precoce na Infância (SNIPI) que visa dar cobertura nacional às práticas de intervenção e a expansão das equipas de IP, designar áreas prioritárias, formalizar a necessidade de articulação dos serviços de educação, saúde e ação social e designar as competências das equipas locais. Tal medida, acarreta a necessidade de formar mais profissionais no âmbito da IP. Este curso insere-se nos objetivos da lei dado que: 

  • oferece formação a educadores e a outros a profissionais da infância e da família com elevado nível de preparação científico, técnico e pedagógico; 
  • permite a realização de atividades de investigação; 
  • oferece um programa de formação-reconversão com vista à formação contínua e permanente dos técnicos; 
  • favorece o intercâmbio com instituições públicas ou privadas, nacionais e estrangeiras; 
  • pela intervenção dos profissionais formados neste curso pretende-se que este curso preste um serviço à comunidade. 

Competências a desenvolver 

Conhecimentos, capacidades e competências a adquirir pelos estudantes: 

  • capacidade de análise crítica sobre a legislação e literatura científica em Primeira Infância e Intervenção Precoce (IP);
  • aquisição de competências de observação e de intervenção directa com as famílias como: a identificação dos recursos e das necessidades da criança e da família, a identificação do plano dos apoios a prestar, o estabelecimento do plano individual de apoio à criança e à família, promoção de práticas ecológicas e avaliação dos resultados; 
  • aquisição de competências de observação alargada: avaliação do impacto dos contextos de vida e vários níveis ecológicos no desenvolvimento da criança; avaliação qualidade de vida criança;
  • aquisição de competências de intervenção: promoção de oportunidades de socialização e de desenvolvimento em domicílio; preparação das transições; e promoção de oportunidades de integração da família na comunidade; 
  • habilitação para o trabalho em equipa e estabelecimento de parcerias;
  • aquisição de competências de investigação e de comunicação de resultados.

Acesso

Critérios de seleção 

(Regulamento Geral dos Cursos de 2º Ciclo)

São admitidos a concurso os licenciados em Educação de Infância, Psicologia, Educação Especial e Reabilitação, Enfermagem, Medicina, entre outros cursos ligados à primeira infância e à família.

Funcionamento

Horário em tempo integral

Horário Pós-Laboral

  • Terças e Quintas -18h00 às 21h30m
  • Quartas - 18h00 às 22h30m

Os tempos de trabalho de campo e de trabalho de grupo estão integrados no horário do curso (apenas o estudo individualizado não está incluido). Ou seja, os formandos não requem de mais tempo para elaborar os trabalhos pedidos. 

Estrutura do Curso

1º Ano

(1º e 2º Semestres) Coordenador Tipo Horas Créditos
Desenvolvimento e Aprendizagem na 1ª Infância Tiago Almeida 1º Sem. 125 5
História das Ideias em IP e Educação Marina Fuertes 1º Sem. 125 5
Infância, Sociedade e Direitos Catarina Tomás 1º Sem. 125 5
Observação Bioecológica em Intervenção Precoce Marina Fuertes 1º Sem. 250 10
Vinculação e Família: Prevenção e Intervenção Marina Fuertes 1º Sem. 125 5
Metodologias de Investigação João Rosa 2º Sem. 250 10
Práticas de Intervenção precoce Marina Fuertes 2º Sem. 250 10

Práticas Educativas com Crianças em risco de desenvolvimento

2º Sem. 125 5
Práticas Preventivas e Ed. dos 0 aos 3 anos (opção) Dalila Lino 2º Sem. 125 5
Psicossociologia das Organizações, formação e gestão de equipas [saber mais] Psicossociologia das Organizações, Formação e Gestão de Equipas de Intervenção Precoce João Rosa 2º Sem. 125 5

2º Ano

(3º e 4º Semestres) Coordenador Tipo Horas Créditos

Dissertação/Projeto de Intervenção em Intervenção Precoce

Marina Fuertes Anual 1375 55
Seminários de Intervenção e Investigação em Intervenção Precoce Marina Fuertes Anual 125 5

Plano de estudos (publicação em Diário da Républica)

Avaliação

Regime de frequência e avaliação

As normas relativas a frequência, avaliação, creditação e classificação estão contidas no Regulamento Geral de Avaliação e Frequência, o qual é elaborado e aprovado em sede de Conselho Pedagógico.

Creditação da formação anterior e experiência profissional 

(ver também Regulamento de Creditação

Os mestrandos podem requerer a creditação de: 

  • unidades curriculares singulares para outras unidades curriculares e/ou domínios científicos; 
  • currículo académico global para unidades curriculares ou domínios científicos. 

Avaliação

(ver também Regulamento Geral de Avaliação e Frequência)

O regulamento geral de avaliação pode ser consultado na página da ESELX.

No primeiro ano, as unidades curriculares são objeto de avaliação contínua com recursos a diversas metodologias. No primeiro semestre, o conjunto das unidades curriculares tem como objetivo preparar os estudantes para a avaliação bioecologica das forças e obstáculos relacionados com a criança, a familia, os contextos de vida, as relações, as transições, a cultura e a promoção dos direitos da criança e da família. No segundo semestre, todos os estudantes são implicados na construção de um plano de intervenção. Os trabalhos desenvolvidos são realizados com casos e equipas reais.

No segundo ano, os estudantes deverem elaborar uma dissertação com base numa pesquisa ou realizar um projeto.